sexta-feira, 24 de outubro de 2008


não escutava dos pais as preces
nem o choro embalado pelo desespero
apenas o murmúrio do rio em seus olhos
soletrando à vida os dizeres precisos da morte
<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
imagem de eduardo naranjo

2 comentários:

Adriana Costa disse...

Douglas,

tomei a liberdade de te homenagear numa blogagem coletiva, o Entre Aspas, espero que goste.

está no blog Versos Bárbaros.

beijos

Madalena Barranco disse...

Olá Douglas, muito prazer! Descobri sua poesia e seu blog através da Adriana Costa e aqui estou encantada com sua forma de declamar aos meus olhos diretamente do altar do coração em versos. Abraços - voltarei para visitá-lo.