domingo, 21 de janeiro de 2007

eduardo naranjo
pro rubens da cunha
enterra teus mortos
na encosta onde o poente
afunila a amargura do inverno:
eles descansarão em paz
sem tempo de chorar por ti

5 comentários:

Rubens disse...

obrigado, irmão.
é bom saber disso.
alivia a culpa

Claudio Eugenio Luz disse...

Meu caro, retornando de férias e colocando as letras em dia. Hábraços senhor das palavras.

sayô disse...

muito bom!
abraço

Lidiane disse...

Nem sei o que prefiro
Se a tela ou o texto.
Copiei ambos.

ana maria costa disse...

fantástico!
bravo!