quarta-feira, 6 de setembro de 2006


não sei rezar
as palavras
descrêem em mim

3 comentários:

Claudio Eugenio Luz disse...

e, olha: o verbo é o inicio e o fim de tudo.

hábraços

qwerty disse...

[pensas mal de mim] penso? [sim. buscas palavras como em palavras-cruzadas ou em uma entrevista de emprego para falares comigo] mas, e como queres então? [eu não quero a palavra que cega e manipula para arregimentar multidões/ eu não quero a palavra terna e muitas vezes insincera com pretensão mesquinha de consolar em um dia de luto/ eu não quero a palavra desesperada e dolorosa para gritar o amor daqueles que não podem/ eu não quero a palavra-explicação da carta de um suicida] disseste tudo isso, mas não disseste o que realmente queres? [vejo que percebeste. usei a lógica que vocês usam. vocês têm a mania de escolher as coisas por coisas que não desejam. mas se ainda não me entendeste, te digo que quero simplesmente a palavra que usas quando não há ninguém em volta] quando não há ninguém em volta? não compreendo. quando eu estou só, fico em silêncio. me prendo em mim e fico em silêncio. [compreendeste, então. eu quero teu silêncio mais profundo e sincero, o teu silêncio mais solitário - e é com pesar que digo que a maioria das pessoas só aprende a rezar nos minutos que antecedem a morte - estão sós, estão com medo e me dão o silêncio mais sincero de seus corações]

Nanna disse...

As palavras me fizeram desaprender a rezar...

Adorei isso!

Beijinhos...
:)